segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Resenha: Lenda Materyalis - Saymon César

Temos duas formas de ler esse livro, a primeira como uma história fictícia de uma guerra ideológica e ponto. Mas eu não consegui ler dessa forma, eu até tentei ler focada na narração mas a minha mente traidora teimava em fazer comparações e traçar paralelos, talvez por isso demorei mais do que o costume a ler esse livro. Amo esse tipo de leitura, aquela que nos faz pensar ir além do que o autor escreveu nas páginas. É uma história fictícia, mas durante a leitura observei uma linha traçada que trás comparações, fatos e insinuações que nos trazem ao mundo real.
Como a busca em saber a  verdade sobre Materyalis e como tudo se formou...Qual é um os grandes mistérios da nossa humanidade? Saber como o nossa divindade se formou? E sobre a nossa Materja? Sim porque temos uma Materja, guerra de ideologias, com nossas diversas religiões querendo buscar mais adeptos, ganhar espaço, se sobressair, dominar...
Ao escrever a Lenda Materyalis, Saymon se tornou um deus, criou um mundo, um mundo só seu, com lugares e habitantes peculiares, tudo perfeitamente narrado e explicado. E nós somos convidados a embarcar nessa aventura de conhecer esse mundo.
No início senti uma pequena dificuldade por tantos termos e nomes estranhos ao meu cotidiano, mas passada essa pequena dificuldade consegui entrar na trama e aproveitar essa viagem maravilhosa ao mundo de Saymon.
Materyalis a divindade era una, mas inconformada com a imperfeição das criaturas que gerou acabou de dividindo em dois deuses antagônicos Materyon o benévolo e Marilis o malévolo. O que separou a sociedade em três ideologias: Terionismo ( acreditam no deus bom), Marilis O ( acreditam no deus mau) e Emylismo ( acredita que separados ambos são falhos).
Uma sociedade secreta é formada para descobrir a verdade sobre Materyalis, os Verinistas. Para saber a verdade é preciso encontrar um artefato milenar o Sinkra. E para encontrar o Sinkra o profeta tem que encontrar os cinco denins ( indivíduos dotados de misteriosos poderes) que estão ligados ao único caminho para o fim da batalha.
No início do livro o atual profeta Müdrik vê o cerco se fechar sobre si e sendo incapaz de continuar passa a responsabilidade para Harcos e também todo o conhecimento adquirido assim como o Sinkrorbe, um cristal faz ter visões.
A história é contada em forma de um diário onde Harcos narra suas visões através do sinkrorbe e nessas visões nós vamos conhecendo os denins, os possíveis candidatos que serão recrutados para ajudar a causa.A narração de Saymon é tão rica e perfeccionista que eu senti como se tivesse tendo as visões junto com Harcos, além disso ao narrar as visões ele vai dando explicações dos fatos acontecidos o que torna a compreensão do livro fácil e a estória verossímil, sem furos.
Com um final espetacular e uma batalha de tirar o fôlego, nos deixa com um gostinho de quero mais (para ontem), fechou o livro com chave de Ouro.
Esperando anciosa pelo Livro 2 das Crónicas de Aliank. Por favor Saymon termina logo...