sexta-feira, 9 de setembro de 2016

S. - J.J. Abrams e Doug Dorst



Livro concebido pelo cineastra J.J. Abrams e escrito pelo premiado romancista Doug Dorst, é a crônica de um encontro que acontece nas margens de um livro, e os dois leitores de veem presos em uma fatal batalha de forças que está além de sua compreensão. S. é uma declaração de amor de Abrams e Dorst à palavra escrita.
O livro vem em um box, é como um livro de biblioteca Velho e manuseado, cheio de recortes, retratos, bilhetes, postais, etc... Trabalho perfeito de edição.






Sinopse: 
Uma jovem encontra numa biblioteca um livro com anotações de um estranho. As margens repletas de observações revelam um leitor inebriado pela história e pelo misterioso autor da obra. Ela responde os comentários e devolve o livro, que o estranho volta a pegar. Ele é Eric, ela é Jennifer, e o inesperado diálogo dos dois os faz mergulhar no desconhecido. 
É esse velho exemplar típico de biblioteca – consultado, anotado, manuseado – intitulado O Navio de Teseu, de V. M. Straka, que o leitor encontrará dentro da caixa preta e selada de S. A lombada está visivelmente gasta e as páginas, amareladas, rabiscadas com comentários manuscritos em diversas cores. Entre as folhas, surpreendentemente, há cartas, cartões- -postais, recortes de jornal, fotografias e até um mapa desenhado em um guardanapo. 
O Navio de Teseu data de 1949 e é o décimo nono e último romance de Straka, autor cuja vida é um mistério. Nem mesmo F. X. Caldeira, responsável pela tradução da obra e pela publicação do derradeiro livro, já após o desaparecimento e a suposta morte de Straka, tem mais informações. Nas notas de rodapé, Caldeira tenta contextualizar e relacionar as obras e a vida do autor. Nas anotações a lápis e a caneta, porém, vê-se que Eric, um estudioso de Straka, parece não concordar com as notas da tradução. E as observações escritas por Jennifer, uma graduanda cheia de segredos que trabalha na biblioteca da universidade, mostram que ela percebeu isso. 
Da conversa entre Jennifer e Eric nas margens das páginas da obra emerge uma nova trama, que levará os dois a enfrentar decisões cruciais sobre quem são de verdade, quem talvez venham a se tornar e, ainda mais importante: quanto de suas paixões, mágoas e medos eles estariam dispostos a compartilhar com alguém que não conhecem.



Na lombada do livro tem uma etiqueta igual aquelas que tem nos livros das bibliotecas, é de capa dura com uma textura que lembra mesmo os livros antigos

Imagina que tem até um cartão postal do Brasil com fotos de alguns pontos turísticos do nosso país...
Pois é nos fomos representados aqui nesta belezura...

Olha só esse recorte de jornal...
Perfeito, gente não canso de admirar o trabalho lindo que foi feito nesse livro, cada página que você abre uma nova surpresa, um novo detalhe. Não vejo a hora de ler, são duas histórias em uma só, já fui aconselhada a ler primeiro o livro O Navio de Teseu e depois ler as anotações de Jennifer e Eric.

Detalhe de uma carta que vem dentro do livro, escrita em letra cursiva e note a mancha nas bordas como se o papel tivesse sido molhado, acho que vão aparecer outras manchas no livro do tanto que estou babando em cima do livro...Rsrsrs....




Olha a foto antiga que veio no livro, é papel fotográfico mesmo, e isso que tem escrito nas bordas e as mensagens deixadas pelos protagonistas, uma letra bem feminina escrita com canetas coloridas e outra masculina escrita de lápis ou caneta azul. Perfeito!









Esse final me lembrou o meu tempo de frequentadora de bibliotecas, com os carimbos das datas de retiradas e entregas, olha o detalhe da folha suja e envelhecida, a Intrínseca se superou na edição desse livro...
Não vou ler agora, tenho outros livros para ler antes dele, mas assim que eu ler, vou postar uma resenha, eu queria apenas dividir com vocês a minha alegria em ter essa preciosidade, passei tanto tempo desejando e agora eu ganhei ele...Então até a resenha...Bjs